quarta-feira, 9 de novembro de 2016

VALÉRIO HOMENAGEIA JANSEN



JANSEN LEIROS FERREIRA

Valério Mesquita*
Mesquita.valerio@gmail.com

Macaíba perdeu recentemente um dos seus filhos mais destacados na arte de escrever. Nascido no dia 15 de março de 1937, era o primogênito de Aguinaldo Ferreira da Silva e Maria Leiros Ferreira, nascida Maria Leonor de Castro Leiros.
Estudou no tradicional Grupo Escolar Auta de Souza e em Natal, no Ginásio 7 de Setembro de Natal, concluindo o ginásio e o curso técnico de contabilidade. Simultaneamente, cursou o científico no Ateneu Norte Rio-grandense. Aos dezoito anos, já havia escrito uma plaqueta fruto de pesquisas em sua cidade, que intitulou “Macaíba e seus tipos populares”. Após a editoração dessa plaqueta, ingressou na Faculdade de Direito da UFRN, cursando o bacharelado em ciências jurídicas e sociais.
Foi nomeado para o Instituto do Açúcar e do Álcool, lotado na Delegacia Regional do Rio Grande do Norte e em 1962, obteve transferência para a sede do órgão na cidade do Rio de Janeiro. E lá, concluiu seu curso de bacharelado em ciências jurídicas na Faculdade Nacional de Direito, da Universidade do Brasil.
Ainda em Natal, estudou piano erudito com o maestro Waldemar de Almeida, no Instituto de Música do Rio Grande do Norte, ocasião em que participou de algumas audições públicas solando aquele instrumento e participando do Conjunto de Câmera Professor José Monteiro Galvão,
Após 1964, face às dificuldades financeiras foi instado a deixar o serviço público federal para exercer a advocacia dando assistência a empresas privadas.
Ainda nos anos sessenta, realizou sua primeira viagem ao exterior, visitando o Peru, o Chile e a Argentina. Depois, conheceu a Europa Central e os Estados Unidos.
Retornando à terra natal, foi nomeado para as funções de Assessor Especial da Fundação José Augusto, ao tempo em que eu exerci a presidência do órgão.
Em 1991, foi nomeado Assessor Jurídico do Estado e lotado na Procuradoria Geral, onde se aposentou aos setenta anos.
Jansen Leiros, como escritor, editou os seguintes livros: “Macaíba e seus tipos populares”, “Fragmentos e Reflexões”, “Contos do Entardecer”, “Apólogos do Nascer do Sol”, “Prelúdios de um Novo Dia”, “Relembranças”, “Macaíba de Cada Um”, “Sonata do Alvorecer de Aquários”, “Itinerário de um Sertanejo”, “Daphne – compromissos e resgates”, “Garimpando a Luz”, “Acordes da Alma”, “Aleluia do Homem Novo” e “Aquarela do Sol Nascente”.
No campo da música, ele criou entre uma vintena de composições: “Sonho de um Cello”, “Crepúsculo no Solar da Madalena”, “Alma Nordestina” e “Balada para Daphne”, todos por ele harmonizadas para orquestra de cordas.
Jansen, também, estudou canto lírico, havendo sido aluno de Atenilde Cunha e Nino Crimme e participou de conjuntos corais como o Harmus, do Instituto de Música Waldemar de Almeida, da Fundação José AuguSto, de cuja criação foi um dos responsáveis quando compunha o Conselho de Administração daquela casa de cultura. Barítono, como seu avô materno – maestro João Viterbino de Leiros, era um seresteiro nato e um orador de belas metáforas. Carismático, de simpatia contagiante, era querido pelos que faziam seu entorno. Como advogado, exerceu as funções de Juiz Eleitoral, do Tribunal Eleitoral do Rio Grande do Norte, nomeado pelo Ministério da Justiça e Juiz de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção do Estado do Rio Grande do Norte.
Colhi os dados referidos na seara do seu primo/irmão Wellington de Campos Leiros, escritor memorialista e poeta. A minha amizade com Jansen é herança de nossas famílias Leiros/Mesquita/Andrade, desde os primórdios do século passado.
Os meus sentimentos não cabem nessas breves palavras. Ele foi bem maior do que afirmei. O seu canto alto e sonoro ultrapassou os limites de sua dimensão humana. Espiritualista, levou a mensagem das ideias aos quadrantes do Rio Grande do Norte. Entendeu que a cultura é um veículo nascido para ficar, vencer, porque representa a única atividade humana que haverá de permanecer quando tudo o mais passar. Já doente, ainda em vida, escrevia sem cessar, porque foi uma “ponte entre o espírito e o horizonte”. Diante de tudo e de todos, proclamo que Jansen Leiros Ferreira foi um ser simples, disponível, abordável, pacificador, democrático nas intransigências e nas concessões. Deus haverá de premia-lo com a luz da sua face.

(*) Escritor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário