quarta-feira, 16 de novembro de 2016


MISÉRIA –
Dona Miséria, uma senhora de oitenta anos, morava sozinha num casebre de taipa, coberto de palha de coqueiro. Vivia na mais completa pobreza.  Seu maior bem era uma mangueira, que ela mesma havia plantado, e que lhe garantia alimentação. Entretanto, a mangueira lhe causava muitos aborrecimentos, pois, diariamente, era assaltada pelos moleques da redondeza. As mangas eram sempre furtadas, e não adiantavam as reclamações da mulher.
Certa noite, quando chovia muito, parou à porta do casebre de dona Miséria um homem maltrapilho, que lhe pediu abrigo até o amanhecer. A senhora, que tinha um grande coração, deu-lhe sua manta para que se cobrisse e o único pão que garantiria sua fome, dividiu com ele. Quando o dia amanheceu, o caminhante despediu-se de dona Miséria e, para sua surpresa, perguntou-lhe qual era o seu maior desejo. Queria recompensá-la pela acolhida. A mulher, sentindo-se diante de um gênio, falou:
O meu maior desejo é ver os ladrões das minhas mangas ficarem presos na mangueira, só podendo descer com a minha ordem.
“Será cumprido o seu desejo.” -disse o caminhante.
Ignorando o dom que dona Miséria recebera do gênio, os garotos, como faziam diariamente, logo cedo atacaram a mangueira, mas tiveram o dissabor de não poder descer. Dona Miséria ouviu o choro deles, que aflitos lhe pediam ajuda. Juravam que nunca mais viriam furtar suas mangas. O castigo serviu-lhes de lição.
Depois que os meninos desceram da mangueira, sob as ordens de dona Miséria, eis que chegou à sua porta outro caminhante, com aspecto sinistro e asqueroso, vestido de preto e trazendo uma foice debaixo do braço.
Dona Miséria perguntou-lhe o que queria. O homem respondeu com arrogância:
-Sou a Morte. Vim buscar você, e estou com pressa…
“Por que tão de repente? Deixe que eu viva mais alguns anos!” – implorou dona Miséria.
“Não pode ser… Sua hora chegou…” – respondeu o assombroso andarilho.
“Pelo menos me deixe saborear algumas frutas da minha mangueira!”
-Apenas isso vou conceder. Também quero saborear essas frutas – disse o indesejável visitante.
Confiando no dom que lhe dera o gênio, a quem acolhera naquela noite chuvosa, a mulher pediu:
“Quero que me faça a caridade de subir à mangueira e colher as mangas!”
A Morte subiu, mas a senhora, usando o dom que recebera, disse logo:
“Fique aí em cima, até que eu lhe ordene que desça!
A Morte ficou presa na mangueira, durante vários dias. Nesse espaço de tempo, não morreu ninguém no lugarejo. O médico, o dono da farmácia, o dono da funerária  e o padre andavam tristes com o que estava acontecendo. A Morte implorou a dona Miséria para que a deixasse descer da mangueira. Prometeu-lhe, então, que lhe pouparia a vida. E cumpriu com a sua palavra.
A Miséria nunca morreu. Enquanto o mundo for mundo, a Miséria sempre existirá, como uma praga da humanidade.
Violante Pimentel – Escritora


Nenhum comentário:

Postar um comentário