sábado, 7 de janeiro de 2017

 
   
Tomislav R. Femenick

 
Matérias publicadas por Tomislav R. Femenick nos anos de 1967/71 sobre o Aeroporto Dix-Sept Rosado
-----------------------------

AEROPORTO VAI REINICIAR SUAS ATIVIDADES 
MOSSORÓ, 16 – O Ministério da Aeronáutica forneceu ao Aeroporto Dix-Sept Rosado todo material necessário ao balizamento daquele campo de pouso de aeronaves. O material já está sendo montado e instalado, esperando-se para este mês, ainda, o término do serviço. 
LINHAS AÉREAS – Agora, com este trabalho de iluminação, está o aeroporto de Mossoró capacitado a receber pouso a qualquer hora. Espera-se que as companhias de aviação voltem a fazer escala nesta cidade, preparada tecnicamente que está para isso. 
Por outro lado, o Centro das Indústrias está envidando esforços nesse sentido. Já foi feita solicitação à direção da SADIA (Transportes Aéreos S.A), para que, quando da extensão de sua linha São Paulo-Recife até Fortaleza, seja incluída uma escala nesta cidade. A “Paraense” e a VARIG são empresas que poderão também fazer pouso em Mossoró. 
HOTEL – Um dos fatores que poderiam contribuir ainda mais para abreviar o reinicio das atividades de companhias de aviação em Mossoró, seria a abertura do Esperança Palace Hotel, inaugurado oficialmente no término do governo Aluísio Alves e ainda com suas majestosas portas fechadas. 
O hotel funcionaria como elemento de atração de turismo e daria condições para que aqui pudesse ser realizados eventos tais como seminários, convenções, etc. 
Diário de Natal – 16.03.1967 

AEROPORTO ESTÁ EQUIPADO PARA POUSOS NOTURNOS 
MOSSORÓ, 12 – O aeroporto Dix-sept Rosado, desta cidade, está finalmente equipado para receber pousos noturnos de aeronaves, faltando apenas retoques finais na parte técnica de iluminação. Espera-se que as companhias de aviação agora voltem a fazer escala nesta cidade, inclusive a VARIG com o seu voo 702, que faz o percurso Recife-Natal-Fortaleza. 
Diversas entidades mossoroenses estão envidando esforços neste sentido, visando que Mossoró receba, o mais breve possível, o seu aeroporto em condições de atender à aviação civil. 
Diário de Natal – 12.07.1967 

AEROPORTO PARADO POR FALTA DE UMA “ORDEM” 
MOSSORÓ, 3 – Com todo material de balizamento já instalado, com a fiação e luminárias já colocadas, o Aeroporto Dix-Sept Rosado, ainda não pode receber pousos noturnos de aeronaves porque falta a ordem de acionar a chave que faz a ligação do balizamento. 
No serviço de instalação desse material para iluminação da pista do aeroporto da maior cidade do interior do Rio G. do Norte, foram gastos alguns milhões de cruzeiros. Atendendo o parecer de uma comissão militar de estudos, o Ministério da Aeronáutica forneceu tudo o que foi necessário para o serviço, fazendo o seu transporte do Rio de Janeiro para cá, em um avião especial. Houve o maior interesse no assunto que, inclusive foi tratado com a importância que merece, pois que Mossoró já recebeu três pousos diários de linhas comerciais para o sul e três para o norte, no tempo em que suas pistas eram de barro. Agora com modernas pistas de asfalto e concreto esta cidade está sem comunicação aérea como outras cidades, a não ser pelos seus serviços de taxi aéreos. 
QUEM É QUEM? – A VASP estava anunciando para o dia primeiro deste mês o seu voo inaugural para Mossoró, fazendo novamente uma linha que incluía Mossoró na rota. Acontece que por causa daquela ordem que não foi dada, ainda não foi possível o rebatismo do aeroporto Dix-Sept Rosado. De quem é que deve partir a ordem? Aqui não souberam dizer. Quem é quem manda esse ato oficial não se sabe dizer, nem os agentes da VASP os mais interessados nos negócios, naturalmente. 
NORTE- SUL – Quando for dada a ordem e por quem de direito, a VASP incluirá Mossoró em sua rota as terças e sábados para o norte e as quartas e domingos para o sul. 
Enquanto isso os aviões não vêm, fica-se “a ver navios”. 
AÇÃO E REAÇÃO – Diante de tal lapso (pois somente um lapso pode estar ocorrendo), entidades representativas das classes produtoras reagem e já telegrafam para as autoridades competentes para resolver o impasse. Enquanto a solução não vem, o povo e a economia da região continuam sofrendo com a falta de linhas aéreas normais servindo Mossoró. Para se perceber o valor de serviços aéreos para esta cidade é suficiente notar o fato de todas as cidades vizinhas utilizarem o aeroporto local em casos de transportes aéreos, tanto de passageiros como de carga. 
Diário de Natal – 03.08.1967 

AEROPORTO TERÁ PISTA AMPLIADA 
MOSSORÓ, 12 – A pista de pouso do aeroporto Dix-Sept Rosado, dessa cidade, será ampliada em mais de 460 metros de concreto asfáltico e os outros 880 serão concluídos em piçarra. Este aumento representará o deslocamento de aproximadamente de três mil metros cúbico de matéria a serem utilizadas para concretização dos serviços. 
Com a ampliação de sua pista de pouso Mossoró passará a ter condições para operações de diversos tipos de aviões e de receber os de tipo jato, de linha comercial, que poderão fazer escala em Mossoró. 
OS TRABALHOS – Uma maquinaria executa os trabalhos da ampliação do aeroporto local. Uma usina de asfalto foi montada em 90 dias e concluirá os trabalhos dentro de seis dias, após o que será feita a desmontagem. As obras estão orçadas num montante de NCr$ 2 milhões. Dada à importância da obra, uma turma de alunos da Faculdade de Engenharia, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, esteve em visita ao local onde os trabalhos estão sendo efetuados, a cargo por uma empresa potiguar. 
O Povo – 12.08.1969 

OUTRA EMPRESA AÉREA 
OPERARÁ EM MOSSORÓ 
MOSSORÓ, 12 – Estão sendo veiculadas notícias nesta cidade de que outra companhia de navegação aérea poderá operar no aeroporto Dix-Sept Rosado. Trata-se da VARIG, que há tempos operou aqui com suas aeronaves. 
O assunto começou a transpirar quando de recente visita a esta cidade do Sr. Edgard Villena Masseran, auditor da companhia, em viagem de inspeção as agências da VARIG. Foram observados as condições do aeroporto local e o sistema de transporte de cargas do sul do país para Mossoró, operados pela empresa centralizada em Fortaleza. 
POSSIBILIDADE – As condições para retorno das atividades da VARIG, em Mossoró, forma vistas pelo funcionário da empresa que pretende levar ao conhecimento da diretoria as possibilidades que são oferecidas para escalas de seis aviões novamente nesta cidade. 
Atualmente, a empresa utiliza dois aviões na linha Recife-Belém, com trânsito em Fortaleza, Natal e São Luís, o que dará condições para escalarem o aeroporto Dix-Sept Rosado com dois voos semanais. 
AVIAÇÃO PARA NATAL – Caso seja aceita a ideia pela diretoria da VARIG da escala de seus aviões, em Mossoró na rota Recife-Belém, esta cidade poderá contar novamente com transporte aéreo para capital do Estado, vez que se encontra desprovida nesse setor coma substituição da linha Mossoró- Natal pela Mossoró-Campina Grande, efetuada recentemente pela VASP. 
OUTRA EMPRESA – Se bem que Mossoró esteja ligada a Natal por uma rodovia asfaltada em boas condições de tráfego, com cerca de meia dúzia de ônibus diariamente, o sistema viário com a capital ainda merece ampliação, o que seria feito com uma linha aérea. 
A indústria e o comércio mossoroense, que necessita de transportes aéreos para solução de seus negócios, esperam que a direção geral da VARIG venha liberar a inclusão de seus aviões para escalas em Mossoró. 
O Povo – 12.01.1971; Diário de Natal – 17.01.1971.
Matérias publicadas por Tomislav R. Femenick nos anos de 1967/71 sobre o Aeroporto Dix-Sept Rosado
-...

Nenhum comentário:

Postar um comentário