domingo, 29 de maio de 2016


O CAMELO
Quatro amigos caminhavam em silêncio por uma 
estrada, amargando a dor do desemprego. Todos tinham 
sido mandados embora, por terem contrariado o 
 soberano a quem, há anos, serviam. 
Estavam completamente decepcionados, sem saber 
o rumo que iriam tomar na vida. Aproximou-se deles 
um homem muito aflito, que perguntou:
– Os senhores viram um camelo, perdido pela estrada? 
Esse animal me pertence, e desapareceu de repente, 
sem eu saber o caminho por onde seguiu.

Um dos desempregados perguntou:CAMELO
– O camelo que o senhor procura enxerga direito ou é cego de um olho?
– Ele é cego de um olho. – respondeu o dono.
– Ele é manco? É aleijado? – perguntou o segundo desempregado.
– É manco, sim! Vocês o viram?



Ele tem a cauda curta? – perguntou o terceiro.
– Sim, ele tem a cauda curta! Vocês o viram?
– Seu animal sofre do estômago? – perguntou o 
quarto desempregado.
O dono do animal respondeu:
– Sim. O meu camelo sofre do estômago! Então, com 
toda certeza, os senhores o viram!
– Não! Nós não o vimos! – protestaram os quatro homens.
Em seguida, todos se calaram e continuaram a caminhada.
Irritado, o dono do animal perguntava a si mesmo:
– Como é que esses homens conhecem os defeitos do 
meu camelo? Tenho certeza de que eles são ladrões 
e o esconderam.
E foi prestar queixa ao delegado que, 
imediatamente, mandou prendê-los.
Muito nervosos, os quatro homens foram interrogados, 
na frente do dono do animal:
“Este homem acusa vocês de terem roubado o seu camelo.” Disse o delegado.
Os quatro negaram o fato, mostrando-se indignados 
com a injusta acusação.
O delegado, então, perguntou:
– Como é que vocês dizem que nunca viram esse animal 
e ao mesmo tempo sabem que ele é cego de um 
olho, manco, tem a cauda curta e é doente do estômago?
Então, um deles respondeu:
– Como somente as folhas de um lado da estrada 
estão comidas, tenho certeza de que o animal é cego 
de um olho.
Disse o segundo homem:
– Pelas pegadas na estrada, vi logo que se trata de um animal manco.

Disse o terceiro:
– Como há algumas manchas de sangue na estrada, 
entendi que o animal tem a cauda tão curta, que não 
pode espantar os mosquitos.
Finalmente, o quarto desempregado falou:
– Eu vi que as marcas das patas dianteiras do animal são 
bem mais fundas do que as marcas das patas traseiras. 
Isso quer dizer que ele anda inclinado para a frente, 
como andam os animais doentes do estômago.

O delegado ficou impressionado com as respostas 
dos interrogados e viu que estava diante de 
homens decentes, cheios de sabedoria. E os quatro 
foram liberados.

No caminho, encontraram um emissário do rei, 
que os mandava chamar de voltar ao reinado, para 
que continuassem a lhe dar seus conselhos.
No mesmo dia, o animal perdido foi encontrado pelo 
dono.

Nenhum comentário:

Postar um comentário